sexta-feira, 24 de julho de 2009

A lenda da BESTA-FERA


Por que tanto temer a BESTA FERA?

BESTA-FERA
A definição mais simples que se possa dar à besta-fera é a de que se trata de uma criatura selvagem, cruel, sanguinária e desapiedada. A crença nesse ser fantástico certamente tem a ver com o texto bíblico do Apocalipse, onde São João relata: “Vi, então, levantar-se do mar uma fera que tinha dez chifres e sete cabeças; sobre os chifres, dez diademas, e nas suas cabeças, nomes blasfematórios. A fera que eu vi era semelhante a um leopardo: os pés como os de urso, e as faces como as do leão. Deu-lhe o dragão a sua força, o seu trono e grande poder (13, 1 e 2)” . E mais adiante: “Vi, então, outra fera subir da terra. Tinha dois chifres, como um cordeiro, mas falava como um dragão. Ela exercia todo o poder da primeira fera, sob a vigilância desta, e fez com que a Terra e seus habitantes adorassem a primeira fera (13, 11 E 12)”. E finalmente: “Eis aqui a sabedoria” Quem tiver inteligência, calcule o número da fera, porque é número de um homem, e esse número é seiscentos e sessenta e seis (13,18) ”. Quando o Livro do Apocalipse foi escrito os cristãos eram perseguidos e presos pelos romanos, e os que se recusavam a renegar sua fé em Jesus Cristo acabavam morrendo torturados, condenados às feras ou executados nos espetáculos públicos. Por essa razão o império romano foi comparado a uma besta, uma fera terrível que pretendia ser adorada por todo mundo, e por isso o apóstolo João escreveu o texto bíblico falando da besta do Apocalipse. A lenda sobreviveu aos séculos, sofrendo adaptações conforme o local e época em que era lembrada. Os nordestinos brasileiros, por exemplo, representam a besta-fera como uma criatura metade cavalo, metade homem, cuja aparição acontece em noites sem lua, sempre em localidades remotas, onde fica a correr em desabalada carreira, emitindo uivos e gritos horríveis. Isso dura minutos, e nesse espaço de tempo ninguém se atreve a abrir portas ou janelas porque o barulho dos cascos da coisa fantástica é apavorante e costuma deixar o homem mais valente sempre de cabelo em pé. E nesse vai e vem agalopado pelas ruas da cidadezinha cujos moradores se mantém em suas casas, silenciosos e amedrontados, o que se ouve, além do bater dos cascos da fera sobrenatural, são os latidos frenéticos de dezenas de cachorros que a seguem à certa distância, prudentemente, pois o que chegar mais perto acabará sendo açoitado sem dó e sem piedade
Postar um comentário